Casamento através das décadas.

February 25, 2017

 As relações amorosas existem desde que existe espécie a ser mantida, mas com a sociedade veio a instituição do casamento, uma cerimônia de passagem que sela a união de duas pessoas que passarão a constituir família. Vários dos costumes que temos hoje vem de milhares de anos atrás, como o costume do véu iniciou na Grécia antiga, ou o bouquet que na Idade Médio era composto por ervas para afastar os maus espíritos. Mantemos esses costumes e mantemos também a distinção entre classes sociais nos estilos dos casamentos.  Hoje vamos analisar algumas imagens de casamentos de quatro diferentes décadas e observar como a imagem pessoal dos noivos e o estilo das cerimônias fala muito sobre eles como individuo e sobre a época.

 

 

 

1920

Inês e Joaquim será que um dia se encontraram antes da cerimonia? Um casamento absolutamente ingênuo, a noiva inocente, sonha igual a qualquer outra noiva de 1920. quantas vezes será que Inês viu esse vestido no bau da vó e ficou esperando pelo dia que usaria ele? A ausência de camadas de anágua, o tecido mole quase sem expressão apenas um punho delicado e uma gola redonda, continuam sugerindo a austeridade da época, mas tudo isso era muito adequado. Uma peça assim não precisa de um grande bau pra guardar, é de fácil transporte e limpeza, e provavelmente vive por um longo tempo, esperando todos os descendentes da família entrarem nele. Todos os adereços que um vestido de noiva pode pretender ter como brilhos, pérolas, rendas.. Inês substitui sabiamente com um arranjo floral (O modelo do vestido, a grinalda, coroa e flores, jogam com a imagem ingenua de Inês e a austeridade da época.) Joaquim não é diferente, será que alguém algum dia perguntou se Joaquim tinha algum sonho? Ou os diálogos eram só sobre as buscas por saciar as necessidades? Não há ingenuidade no visual de Joaquim há uma imagem frágil mas de um noivo que com um visual que oferece confiabilidade em um uniforme, não uma roupa de noivo, provavelmente era a melhor que se tinha, que se podia contar, ela é perfeita para passar a imagem de confiança necessária. Inês é ingenua, Joaquim é confiável, será que eles foram felizes?

 

 

 

Vera e Otto,  será que vera ganhou uma grinalda nova? Ou ela se permitiu sonhar com a repetição do vestido de primeira comunhão dela, a imagem nos mostra um tecido pesado de trama bem fechada a gola é alta e sugere uma pureza ou que essa imagem seja passada de forma bem clara. Vera mostra um estilo conservador a maneira como segura as suas flores repete o gestual das figuras das santas de igreja, Ela pode ser absolutamente o contrário disso, mas a obrigação com a tradição, a pressão familiar e os bons costumes da época a obrigavam a passar essa imagem conservadora em seu casamento. A beleza da composição da figura de Otto, seu noivo, suaviza o estilo de Vera, os dois juntos formam um clássico casal dos anos 20, mas o que talvez nunca saberemos é que a linda camisa de gola alta de Otto não seja necessariamente uma camisa, seja apenas uma gola falsa sobre um dorso que em baixo não tem outra coisa se não uma camiseta regata, por que  a escassez de materiais da época não permitiam que um jovem pretendesse ter uma camisa branca em seu armário, muito menos comprar apenas para o dia de seu casamento.

 

 

Ermínia Laura e Frederico. Pompa e rigor ao casal que não precisa bater uma foto na lateral da igreja, é gentilmente convidado pelo clero local a desfrutar do cenário do altar nobre a contemporaneidade revela que o modelo de saia que cai simples, com pouca anágua, é fator comum as três noivas, mas é nítido que Ermínia pode  revelar seu estilo sensual na escolha do tecido do cetim ou seda de seu vestido, a sensualidade de erminia se estende como as ondas do mar, branco espuma que revela "este é meu territorio e nele eu coloco as minhas escolhas"  Nada consegue competir com a sensualidade revelada pelo estilo e pelo vestido de erminia, a abundancia da grinalda, as cinco flores que estão em suas mãos, dizem novamente sobre o estilo sensual da noiva: "é o meu corpo que diz para que eu estou aqui". Frederico é um homem alinhado, precisa mostrar seu poder de compreensão das coisas e as dobras do lenço no seu bolso do terno revela a necessidade de mostrar o quanto lhe encantam as coisas bem feitas e em seu devido lugar, o bolso de seu paletó é tudo, na imagem de Frederico e no jeito em que se coloca ao lado de sua noiva. Era 1920 a era de viver e mostrar o que era possível, as mãos contidas de Frederico revelam isso, ainda assim ele está bem e a cabeça levemente inclinada traz a imagem de um homem romântico, sera que eles também foram felizes?

 

 

 

1960

Doris e Eugênio, que bonitinho ver o olhar de Doris, provavelmente ela esta imitando o desvio do olhar de alguma foto família, como na foto de casamento da mãe ou da vó, que como foram muito felizes, ela repete o mesmo olhar, talvez se tivesse que enfrentar a câmera ela não aguentaria e choraria, ela foge da realidade, precisa sonhar. O tecido do vestido de doris tem um peso e uma sofisticação, há uma audácia na manga curta e na foto sentada onde aparecem as pernas de doris, ela é tão sonhadora que o casamento pra ela só pode ser completo se houver musica e dança, ela precisa dançar e pecisa sonhar, se inspira nos vestidos das estrelas de cinema, fazendo a releitura que sua condição financeira permite. Eugênio com seu rosto em formato de coração está a kilometros de distancia de revelar ser um homem romântico, ele é pratico, de estilo pratico e convencional, o jeito como olha pra câmera revela confiabilidade e ousa segurar a mão da noiva, deixando com essa atitude bem clara a ideia de que sabe o que esta fazendo e quer ela só pra si. Eugênio é extremamente ousado, conseguiu usar uma meia branca muito antes do Michael Jackson, será que ele usou essa meia porque não tinha outra? ou ele sabia o que tava fazendo? será que copiou de alguma estrela de cinema? ou a originalidade é só do Eugênio? Doris e Eugênio devem ter formado um casal muito interessante.

 

 

Regina e Gaspar,  Regina é ousadíssima, observe o cabelo dela, ela vive seu tempo, moderníssima, deve ter ficado três anos escolhendo seu vestido, nele tem de tudo um pouco, anáguas, volume, sobreposições, renda, colar, grinalda, e um belo arranjo floral, ambiciosa e prática, vai atras do que quer, os sonhos podem mudar a cada curva da vida, mas ela vai atras de todos eles. Note como a moda da época era os vestidos ligeiramente mais curtos, com os pés aparecendo, isso traz a descontração que a década de 60 representava. Gaspar é um homem metódico, passa a segurança de repetir o que seus ancestrais sempre fizeram, e ele vai fazer também, honrado, atencioso, cumpridor dos seus deveres, o estilo é solido, confiavel e prático, Fernando tem dificuldade com o mundo do luxo, mas pode aprender rápido se o luxo vier em seu encontro. A imagem sugere foto de estúdio, Regina e Gaspar fizeram questão de ter tudo o que tinham direito.

 

 

 

Nice Rossi e Roberto Carlos. O casamento das celebridades, estilo charme, irreverencia, rompendo toda a rigidez do casamento, homem solteiro casando com uma mulher desquitada com uma filha. Bem vindos ao mundo dos rompimentos, das quebras, A necessidade faz a função, Casaram na Bolívia e devia fazer muito frio, o chapeuzinho pew box de Nice Rossi mostra a sua admiração por Jackie Onassis, A escolha pela foto colorida demonstra a necessidade de seguir tendencias do casal super star, as roupas diferenciadas, modernas, as cores do registro, mostra um casal super antenado e interessado e ter sempre o melhor. O branco off white, do vestido de Nice Rossi, é perfeito com a cor do cabelo e a imagem total dela, até a cor do esmalte e do batom está absolutamente correto e harmonico, Nice não só morava no rio de janeiro, mas ela vivia no meio do turbilhão de todas as coisas que aconteciam no momento, elegante, atualizada e desbravadora, foi uma mulher que inspirou muitas noivas. Roberto Carlos não foi diferente, romântico, só ouvia seu coração, casou com a mulher que amava e do jeito que isso foi possível, só um romântico muito intenso consegue viver isso e dar conta disso. Ele revela a ousadia do seu romantismo na cor da roupa, no abotoamento do seu paleto, agradar ou não agradar não é a questão, mas querer viver isso sim. 

 

 

 

2000s

 

Jaime e Célia,  são um casal simples, possivelmente religiosos, que trazem nas suas escolhas toda a inversão dos dias de hoje, o terno de Jaime é certamente alugado, com todas as composições erradas, o dourado no preto cria algo agressivo de olhar, a gravata dourada com nó Blastron que já veio feito da casa de locação, com a aplicação de um strass, os excessos são uma característica de casamentos mais simples hoje, que procuram ostentar porem sem o conhecimento necessário de cores e tecidos para fazer com que essa ostentação remeta ao luxo e não ao brega; Célia revela uma roupa que escolheu para casar todo o útero materno, sonhadora, muito sonhadora, sonha com um mundo justo onde todos são iguais, sonha em construir uma união estável longa e perfeita com seu amado Jaime, se possível uma casa grande com muitos quartos para receber todos os filhos e aos finais de semana os amigos para uma agradável churrascada, por isso Célia escolheu um vestido armado, de cetim macio, fácil de encantar a todos, o antebraço vestido continua revelando a importância do calor, do afeto, do romantismo, do sonho, do toque macio do colo da mãe. Célia provavelmente escolheu a cor do seu vestido e de todo seu corpo de pajem, o tom do branco se repete,  e está perfeito com suas escolhes no jogo de diadema brinco e colar de Célia, ela conhece e sabe o que é uma harmonia, nessa foto, sem nos comprometermos com a cor da pele olho e cabelos de Célia.

 

 

 

Dudu e Priscila, são um casal de estrelas, ele casa com um terno Armani, num visual absolutamente harmônico e correto, muito provavelmente resultado de uma consultoria de imagem ou de um bom personal stylist, todas as escolhas de cor dele são perfeitas, assim como as dela, no vestido branco puro, formam um casal perfeitamente harmônico e clássico, branco e preto, o dela bordado com cristais swarovski e rendado, muito correto em cima do branco, forma uma composição discreta e perfeita. Um casal sofisticado. A habilidade da Priscila de escolher um modelo que permita trocar o estilo da saia, mostra a necessidade de encantar,  o encanto o sonho, a sofisticação também pode estar presente em alguns tipo de casamento, 

 

 

 

Fernanda e Gui, ultra classicos, o que é essa gravata branca? Será que a meia dele acompanhou a cor? O lenço dos anos 1960 foi substituído pelo cravo na lapela, o branco e o preto foram mantidos. A gravata branca invadiu a camisa branca, pequenos acertos para justificar um clássico moderno. Fernanda também, super clássica, super correta, nota-se o quanto pra ela foi importante olhar-se no espelho e ver-se magra, com esse véu suntuoso emoldurando sua figura, uma visão arrebatadora sem dúvidas, Talvez ela não seja exatamente uma mulher tradicional no dia a dia, mas seu sonho de casamento incluía o casal padrão e todas as pompas e cerimonias que um casamento pede. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload